Como o Botox ajudou a manter a Espasticidade sob controle

A pequena Aninha, com microcefalia, conseguiu vitórias inimagináveis pelos médicos com o tratamento certo.

Quem olha para a pequena Aninha, de 8 anos, sorriso farto e olhos atentos, mal consegue imaginar o que lhe sentenciaram logo nos seus primeiros dias de vida. “Não tem o que fazer. Ela vai viver em estado vegetativo. Se tivesse visto durante a gestação você poderia ter interrompido”. Esta foi a frase dita por um neurologista para Rebeka, a mãe da Aninha.

Gestação normal, parto normal, alta da maternidade normal. O que Rebeka mal sabia é que estava prestes a ter uma história diferente, mas nem por isso menos feliz. Com 7 dias de vida, Aninha foi diagnosticada com microcefalia, mas a causa nunca foi constatada, nem mesmo pela investigação da genética.

Dona de uma força que só as mães corajosas têm e munida de muito amor, Rebeka foi em busca de tratamento para sua filha. Aos 47 dias de vida, Aninha já fazia fisioterapia. “Na época, morávamos em outro estado, mas resolvemos voltar para São Paulo. Tomamos essa decisão para ter o apoio da família e o atendimento necessário para ela”, lembra Rebeka.

Entre atendimentos de fisioterapia, em instituições diferentes, a mãe de Aninha sempre procurou fazer o que fosse possível para dar à filha uma condição de vida melhor. Descobriu, no final de 2016, que havia algo nessa busca: a toxina botulínica ( Botox® ). Conhecida pelos benefícios estéticos, a substância é capaz de proporcionar conquistas no movimento de pernas e braços, que muitas mães ainda desconhecem. “Quem me falou foi uma fisioterapeuta que havia participado de uma palestra e atendia minha filha. Fui atrás e, mesmo com medo, acreditamos. Na consulta, o médico especialista do Instituto Bem Estar explicou tudo e ficamos mais tranquilos”, diz Rebeka, segura para iniciar esse novo tratamento.

A toxina botulínica possui uma gama gigante de indicações, mas, no caso de Aninha, é uma opção para melhorar as pequenas atividades do dia a dia. Trocar fralda, por exemplo, algo simples, para crianças como a Aninha, que possuem espasticidade muito alta (rigidez muscular), pode ser uma tortura. “As pernas ficavam muito fechadas. Era difícil movimentar. Os braços também. E a saliva… eu colocava umas dez fraldas por dia para conter a quantidade gigante de saliva que ela tinha. Ficava toda molhada”.

Hoje, após 4 aplicações em quase um ano, a vida é outra. Aninha tem movimentos mais fáceis, maior flexibilidade, consegue sentar de forma mais adequada – antes era tão espástica que ficava posicionada de mal jeito por causa da escoliose. Quanto à salivação, virou coisa do passado. “Agora ela passa o dia com a roupa seca. As pessoas precisam descobrir o Botox®** (toxina botulínica). Ele é maravilhoso e pode mudar a vida da criança, e em geral a maioria dos planos de saúde cobrem o tratamento”, fala empolgada Rebeka, sorrindo ao lembrar que esse procedimento para ela era só usado para tratamentos estéticos.

* Este texto foi baseado em um caso real, mas o nome do paciente e alguns detalhes foram mudados para preservar a identidade e sigilo médico. Há muitos outros relatos como esse em nossa história. Se você deseja mais informações agende uma consulta no Instituto Bem Estar com nossos médicos especialistas.

** Botox® é o nome do medicamento referência da toxina botulínica tipo A, do laboratório Allergan. Há outras marcas que também podem ser usadas, consulte seu médico.

(Depoimento a Marley Galvão)